Pré e Pós-Operatório | Psicologia

  • Pré-Operatório
  • Pós-Operatório

GECOM - Acompanhamento Psicológico - Pré-OperatórioQuando o paciente busca um serviço de cirurgia bariátrica ele está, em geral, bastante empolgado e motivado com a possibilidade de melhorar e até resolver sua condição de obeso mórbido.

Entretanto, esta mudança exige muito emocionalmente do paciente. Em geral, os pacientes com obesidade severa sofrem desta doença obesidade desde a infância e, ao longo do caminho, foram adquirindo hábitos alimentares e comportamentais que precisam de um tempo para serem identificados e conseqüentemente alterados.

Na avaliação psicológica encontra-se o momento de preparação do paciente para algo extremamente radical em sua vida, que é a cirurgia bariátrica.

Desejar muito a cirurgia não significa que o paciente esteja pronto para mudanças tão significativas. Estas mudanças exigem um paciente com uma estrutura emocional relativamente adequada.

É necessário, na avaliação emocional, que um profissional treinado e especialista em obesidade severa, escute o paciente e conheça sua história de vida, sua história de obesidade, situação familiar etc...

A cirurgia da obesidade exige do paciente.

O novo estomago exige do paciente.

O paciente entende na avaliação psicológica qual é o seu papel nesse processo que inicia ali, no momento em que o paciente está diante do profissional, preparando-se para a cirurgia.

A cirurgia bariátrica é uma cirurgia diferente de qualquer tipo de operação, pois ela inclui o esforço do paciente no seu sucesso. Um paciente que se coloca como passivo, não muda hábitos alimentares, como compulsões, por exemplo, é um paciente que não terá sucesso absoluto.

Já que falamos de compulsão alimentar é importante esclarecer que: se a obesidade é uma doença, o sintoma emocional da obesidade é a compulsão. Este sintoma, comer sem controle, é algo do psicológico e como a doença obesidade, não tem cura, mas tem controle.

Na avaliação emocional então, conhecemos o paciente e preparamos a pessoa para todo o processo pelo qual ela irá viver. Sempre incluímos os familiares ou a pessoa mais próxima, como esposa ou marido, pois sua família deve estar entendendo o processo pelo qual o paciente irá se submeter, para melhor ajudá-lo.

Além disso, sempre conversamos sobre as mudanças que nosso paciente ira vivenciar, isso, em geral, também afeta seu mundo familiar, social, profissional, afetivo e sexual.

A avaliação emocional, portanto protege o paciente, dando-lhe apoio e melhores condições para que possa enfrentar todas as mudanças com mais segurança.

A cirurgia é apenas o começo.

GECOM - Acompanhamento Psicológico - Pós-OperatórioO paciente deve compremeter-se com o atendimento psicológico depois da cirurgia.

Ao longo do emagrecimento muitas questões psicológicas surgirão:
Um emagrecimento rápido, um novo corpo, novas situações de vida no âmbito familiar, profissionais, afetivos...

Hábitos alimentares novos que devem ser conquistados, enfrentamento de compulsões alimentares ou novas compulsões.

O vínculo do paciente com a equipe é fundamental para o sucesso do tratamento a longo prazo.

Cirurgia da obesidade é para toda vida, nosso atendimento ao paciente deverá também ser.

A função do trabalho psicológico no pós operatório é acompanhar o paciente na sua caminhada e ajuda-lo a enfrentar possíveis dificuldades. Em primeiro lugar, é importante colocar que esse pós operatório não tem data para acabar, pois a cirurgia bariátrica é para o resto da vida.

O paciente irá viver diversas transformações ao longo do tempo. É claro que a maioria será afetada pelo seu emocional.

Cabe ao profissional, psicólogo bariátrico, acompanhar esse paciente nas dificuldades.

Quais as dificuldades mais comuns que vemos ao longo do emagrecimento?

  • Compulsões alimentares
  • Algum tipo de depressão
  • Ansiedades
  • Mudanças na imagem corporal
  • Muita exigência

Nossa experiência nos mostra que: quanto melhor o paciente esta preparado, trabalho feito no pré-operatório, melhor ele enfrenta qualquer dificuldade no pós-operatório.

Além disso: quanto melhor for o vínculo do paciente com a psicóloga, com mais facilidade ele volta e pede ajuda para superar.

O paciente que mantêm um atendimento regular no pós-operatório, em média uma consulta por mês, é o paciente que se encontra em melhores condições físicas e psicológicas.